Cuidados com o Lixo

Cuidados com o lixo

Todos nós Cassineiros apreciamos a praia limpa e saudavel, portanto é importante cuidarmos de nosso meio ambiente.

É importante levar uma sacolinha para juntar o lixo que você produziu na praia, você trazer de volta para ser descartado no seu lixo ou em uma das lixeiras localizadas ao longo do balneario.

Seja cidadão: jogue lixo na lixeira, não na praia!!!

Um habito que se nota na praia é que muitos frequentadores até juntam seus resíduos e os acondicionam em de maneira adequada, mas ao irem embora DEIXAM OS RESÍDUOS AO LONGO DA ORLA. É tempo perdido. A maré acaba levando todos estes detritos para dentro do mar, causando transtornos de toda ordem ao ambiente marinho. Juntou é preciso levar.

O Balneário Cassino, município de Rio Grande (RS, Brasil), faz parte da maior extensão de praias arenosas ininterruptas do mundo e esta localizado na porção imediatamente ao suI da desembocadura da Lagoa dos Patos . A conformação da praia e continua e larga, permitindo que carros transitem na faixa litorânea durante todo o ano. Assim, veranistas e vendedores ocupam intensamente uma faixa de praia de aproximadamente 20 km nos meses de verão. A colocação e recolhimento das lixeiras e a limpeza da praia são realizadas diariamente, sendo que este processo torna-se trabalhoso e caro devido à grande extensão da praia. A população fixa e de aproximadamente 20.000 habitantes e pode ser aumentada em ate 15 vezes durante a alta temporada (WETZEL, 1995).

Os principais tipos de resíduos gerados pelos usuários durante sua permanência na praia são latas de alumínio (59,8%), restos de alimentos (58,5%), embalagens plásticas (37,1%) e garrafas de vidro (17,4%). Salienta-se que todos estes itens são relacionados a alimentação.

A quantidade de lixo que é jogada no em ruas, lagos, rios é muito grande e faz muito mal ao meio ambiente. As pessoas jogam lixo em qualquer lugar sem se preocupar com as conseqüências e assim deixam o meio ambiente com lixo por muito tempo, pois demora muito para que alguns materiais sumam da natureza. Os depósitos de lixo são um verdadeiro veneno para o solo, para o ar e para as pessoas que precisam trabalhar nele.

Atualmente é muito comum ver uma pessoa jogando lixo nas praias. Todos os dias centenas de papéis, palitos, latas, chicletes, pontas de cigarro e outros produtos são jogados no ambiente de forma indevida. Calor e praia, uma combinação perfeita para essas férias. Mas muitas pessoas ainda mantêm um hábito ruim e prejudicial para a fauna marinha: jogar lixo na praia durante o ano todo.

A população tem que se conscientizar que para freqüentar a praia tem que mantê-la limpa, evitando, assim, a propagação de doenças e a degradação do meio ambiente.Todos sabem que essa atitude traz sérios danos à saúde e ao meio ambiente. Mas, mesmo assim, muitos insistem em praticá-la. Não basta se achar cidadão, é necessário agir como cidadão. Cidadão não jogo lixo na praia ou em qualquer outro lugar. Lugar de lixo é na lixeira!

O cassino é exuberante e é onde se encontra a maior praia do mundo em extensão. Para preservar esse ambiente rico em belezas naturais adquira algumas posturas como: - Não jogue lixo na praia;  - Leve sempre uma sacola para colocar seu lixo caso não encontre uma lixeira na praia; - Sempre separe seu lixo.

Coleta Seletiva "Porta a Porta" realiza o serviço às sextas-feiras e aos sábados:

Nas Sextas Feiras

Pela manhã: Pelo Lado esquerdo: ruas compreendidas entre a Avenida Rio Grande e Avenida Luiz Leivas Otero, e entre Avenida Cel. Augusto C. Leivas e Avenida Atlântica. Pelo Lado direito: ruas compreendidas entre a Avenida Rio Grande e rua Jorge de Campos Moraes, e entre a rua São Leopoldo e Avenida Atlântica (centro comercial do balneário).

À Tarde: Cassino lado esquerdo e direito, Parque Guanabara e Cassino (entre Avenida Atlântica e Avenida Beira-Mar.

Nos Sábados:

Pela manhã: Senandes, Bolacha, Greenvillage e Boa Vista.

À tarde: Loteamento Otero, Querência e ABC.

Local para descarte de entulhos de obras Situado na continuação da rua São Leopoldo (à direita de quem entra no balneário).

fonte: Cátia Collares